O prejuízo é sempre nosso V


Aproveitei a oportunidade de estar próxima ao Fórum de Campo Grande para verificar a quantas andava meu processo contra o Bradesco. Eu já contei sobre ele anteriormente, nos posts “O prejuízo é sempre nosso“, “O prejuízo é sempre nosso II“, “O prejuízo é sempre nosso III” e “O prejuízo é sempre nosso IV“. Meu advogado me explicou que basta eu comparecer ao cartório com o número do processo e o documento de identidade, me apresentar como uma das partes interessadas, e posso ver o processo. Foi o que fiz. O juiz decidiu a meu favor, fixando valores para ressarcimento e danos morais. Isso ainda em 2010. Agora a coisa se arrasta no cartório. Ou seja, ganhei mas não levei. Entre muitas idas e vindas, e demoras fenomenais, o juiz determinou, no fim de 2011, que fosse expedido um mandado de penhora a ser executado diretamente na tesouraria do banco. Fiquei esperançosa de chegar ao fim dessa jornada. Não sei quanto a vocês leitores, mas eu sou uma pessoa muito dinâmica, sempre envolvida em cumprimento de metas e prazos. Talvez por isso eu não goste de colecionar assuntos pendentes.

No dia 13 de fevereiro foi anexado ao processo o resultado desse mandado. Eu li esse documento, que dizia que o Oficial de Justiça havia cumprido o mandado, e entregue a guarda do valor a determinada pessoa. Nesse ponto achei melhor conversar com meu advogado, afinal conhecer a metodologia do Judiciário é da alçada dele. Liguei para ele mais animada. Estou me preparando para participar de um concurso em outro estado quis entender que havia ali um sinal positivo de um momento que se encerra para que outro tenha início. Qual não foi meu espanto ao ouvir do advogado que tudo continuava na mesma. Ele também havia passado no Fórum e descoberto que o Oficial de Justiça deixou o valor penhorado naguarda da advogada do banco, por isso não havia depósito judicial, tampouco conclusão iminente. Hã????? Como é??????

Eu não conseguia acreditar no que ouvia. O mandado cumprido pararia a cobrança dos juros estipulados na sentença, mas o dinheiro continua no Bradesco para que ele não se sinta “incompleto”. Vocês sabem, ou ao menos imaginam, o que acontece se um Oficial de Justiça for executar uma Ordem Judicial contra um cidadão comum? Já assistiram na tv? Eu acompanho, especialmente porque muitas dessas matérias e narrativas tratam de violação de direitos humanos. Visto o que aconteceu em Pinheirinhos recentemente. E fiquei com a impressão terrível de que ao povo é destinado o aparato policial enquanto às empresas são tratadas com a benevolência do “cafézinho com jeitinho”. Será que se fosse o contrário me seria permitido “pagar sem pagar“, mandar o “devo não nego pago quando puder (ou quiser)”? Não estou afirmando que tal equívoco que seja regra absoluta. Mas com certeza podem entender meu desâmino e indignação.  Que me perdoem todos os profissionais qualificados e competentes que nada colaboram para essa sensação de desconfiança e desamparo em relação ao sistema judicial.

O que me preocupa agora nem é o enrolado e distante encerramento desse processo. Preocupa-me muito mais que situações como essa acabem por estigmatizar e propagar a falta de confiança no Sistema Judiciário. Para mim, a Justiça é um pilar essencial em uma sociedade. É ela que nos permite evoluir afastando a barbárie e a violência, nela que buscamos a mediação dos conflitos e o cumprimento das leis. Me assusta a perspectiva de um tempo em que a eficiência e imparcialidade do Sistema sejam de tal forma questionáveis que se perca a fé na Justiça. Não sobreviveríamos como sociedade. Pode parecer apocalíptico mas na verdade é histórico.

Meu advogado me explicou quais serão seus próximos passos e disse espera conseguir reverter mais esse atraso em breve. Eu volto aos meus projetos pessoais e profissionais que é o mehor que faço. Quanto ao Bradesco, depois de terminada essa desgastante experiência, permanecerá na minha memória como espectro sombrio de um banco Completo. Completo descaso com seus clientes. Completo desrespeito às leis, à Justiça e a sociedade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s