Chega de hipocrisia #PRONTOFALEI


Se for para barrar o iraniano Mahmoud Ahmadinejad, então vamos boicotar também o israelense Benjamin Netanyahu, Obama, a determinada samaritana Hillary Clinton e tantos outros que hipocritamente apontam o dedo acusador da moralidade enquanto ignoram com muita determinação as violações contra os direitos humanos cometidos por suas próprias Nações, dentro e fora de seus territórios pátrios.

O discurso das minorias unidas em defesa de direitos essenciais é lindo. E necesário. Mas o que fazemos quando somos maioria ou mais fortes? Qual nossa postura quando o poder de fogo é nosso? Como defendemos o outro de nossas sombrias ambições? A Federação Israelita se posiciona firmemente em favor dos Direitos Humanos quando o algoz é outro? Ou estava usando o momento de luta pela tolerância religiosa para propagandear mais intolerância político-cultural?

Eu aprendi uma coisa com uma pessoa humilde mas de grande sabedoria: não fique reparando tanto no quintal do vizinho, faça o melhor que puder pos sua própria casa. Vale para tudo! #PRONTOFALEI


#SOSBombeiros, artistas também apoiam


O ator Sérgio Marone produziu esse vídeo de apoio ao movimento dos bombeiros, com depoimentos de Cássia Kiss, Ary Fontoura, Elizabeth Savalla, Mateus Solano e do próprio Marone.  O convite para um #RioVermelho parece já estar sendo aceito pela população.  Eu pretendo usar vermelho até o fim dessa crise. E você?

 

 

Share

SOS Bombeiros, vamos apoiar quem salva vidas


Assisti as imagens da manifestação dos bombeiros, da invasão do BOPE ao quartel e depois a coletiva do governador Sérgio Cabral. Me conectei ao twitter na hora, não consegui resistir. Tudo o que vi me chocou. Muito mesmo. Ver bombeiros atingidos por bombas, tiros e spray de pimenta foi assustador, e não adianta dizer que os tiros foram da única pistola apreendida com um bombeiro, o audiovisual desmente isso. Se um servidor público faz isso a outro, o que será de nós. As diversas reportagens mostram pessoas feridas, sendo atingidas por spray sentadas, revoltadas talvez com razão, e a força policial (cavalaria, caveirão, BOPE) cumprindo a “tarefa” solicitada pelo governador. Mas a cena que acredito mais impressionou a todos foi sem dúvida a dos bombeiros ajoelhados, mãos na cabeça, formando um SOS humano.  Virtual ou presencialmente, não se fala de outra coisa.

Como cidadã me revoltei de imediato. Como profissional, me permito postar aqui uma avaliação: a assessoria do governo deveria ter alertado ao governador acerca da ineficiência, mal-estar e antipatia de suas ações No imaginário da população, bombeiros serão sempre muito mais queridos do que qualquer um que ostente cargo político. Eles conquistaram merecidamente esse lugar. Não adiante tentar segmentá-los, apresentar os manifestantes como “um grupo de vândalos irresponsáveis”, unidos por uma suposta determinação político-messiânica  Eles são quase um patrimônio, heróis anônimos com quem sempre contamos quando enfrentamos grandes e pequenas tragédias.

Não vou questionar as ações sob a ótica legal, pois não tenho conhecimento nem qualificação para tal. Mas sei dizer qual a imagem política reultante, com ou sem intenção: este é um governo autoritário e truculento que avança contra profissionais que salvam vidas   E que ainda pretende se redimir destes  atos numa disparatada verborragia contra essa “coisa messiânica”, onde sobraram insinuações sem comprovação, que sugerem uma intricada teoria conspiratória envolvendo ex-governantes, deputados e evangélicos. Verdade? Pode até ser,  mas confesso que essa declaração naquele momento delicado me pareceu mais uma tentativa de justificar o injustificável. Uma pontada de intolerância que percebe as contrariedades como perseguição. E mesmo que fosse um “complô”, o que se espera de um governador é que ele saiba ter sobriedade em suas ações, maturidade política. seja um gestor resposável do dinheiro público, e acima de tudo, atue em prol da sociedade como um todo. Caso contrário, poderíamos distribuir essa vaga por sorteio no Carnaval. Não temos percebido nossos anseios atendidos, e com certeza não foi o que vimos hoje.

O governo pode processar os bombeiros presos, exonerá-los, fazer o que for, mas a realidade é que nessa batalha, com ou sem forças ocultas, ele foi o grande perdedor. A verdade? Ninguém teme perder o governador, confiamos no vice. Mas não queremos menos 600 bombeiros na corporação. Não queremos a imagem que se formou de um governo repressor, que oprime com condições indignas de trabalho e premia com a força bruta quem não se calar.  Amotinados? Motins nascem da insatisfação com a conduta tirânica e desigual na cadeia de comando. Já assistimos episódios de envio de força bruta desigual para coibir professores na porta da ALERJ, manifestantes civis e estudantes que exerciam sua liberdade de expressão repudiando a subserviência aos desmandos estadunidenses na visita de Obama,  agora contra os bombeiros. O que virá depois? É disso que a sociedade precisa?

Repito agora o que disse no twitter: Minha solidariedade aos homens e mulheres que por R$ 950,00 deixam suas famílias para nos socorres nas grandes e pequenas tragédias!

Paulo Ramos fala sobre Conselho de Comunicação Social


No início de novembro, o deputado Paulo Ramos e o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, Ernesto Viana, participaram do Programa ALERJ DEBATE, produzido pela Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro. Eles foram convidados para debater o projeto de lei que propõe a criação do Conselho Estadual de Comunicação Social. Pela proposta, o órgão vai ter a atribuição de orientar e fiscalizar a atuação dos meios de comunicação. Um ótimo material para reflexão, a qualquer tempo.

O vídeo do programa está disponível no site da TV ALERJ

Share

Yes, nós temos banana!


Barack Obama resolveu nos dar o ar de sua graça. Até aí tudo bem, vez por outra autoridades máximas se visitam para um chá e um acordo. Devemos só permanecer atentos a um detalhe: quase sempre é o visitante quem deseja algo de seu anfitrião. Concordo que algumas vezes governantes aproveitam as facilidades do cargo e as viagens oficiais para o turismo em comitiva e o marketing pessoal em proporções globais. Poderia citar algumas siglas para corroborar nosso conhecimento de causa, mas prefiro me ater a essa visita tão ilustre.

Obama quer discursar em terras tupiniquins, para deixar sua mensagem ao povo brasileiro. Um discurso é até comum: presidentes conversam a portas fechadas sobre assuntos que só saberemos depois, via WikiLeaks, e depois convocam uma coletiva de imprensa em local oficial para seus discursos irmanados e solidários. Acontece que Obama Sam é audacioso e quer ir além, quer discursar espetaculosamente para a multidão arrebanhada no Centro da antiga capital do país. Os preparativos são grandiosos. A emissora platinada, aquela que é subsidiária da Grande Companhia estadunidense, dedica inúmeros momentos em seus telejornais para preparar e envolver o carioca nesse grande, ts ts, evento histórico. Entre um plim e outro, tenta nos convencer da empolgação do cidadão humilde com o sermão dominical em idioma estrangeiro, com o qual não temos qualquer identificação social, ideológica ou cultural.    Continue lendo

Os “donos” da liberdade de expressão… até quando?


Analista da Fox prega no ar assassinato de Assange, do WikiLeaks: “Illegally shoot the son of a bitch.”

Fonte: Blog do Mello

Blog do Mello

O gordinho aí do lado é Bob Beckel, analista da Fox News. Na última segunda-feira, participando no canal Fox Business do programa “Follow The Money”, ele defendeu o assassinato do fundador do Wikileaks Julian Assange.

 

 

E os outros participantes do programa concordaram com ele. Veja a vídeo:

 

“A dead man can’t leak stuff,” Beckel said. “This guy’s a traitor, he’s treasonous, and he has broken every law of the United States. And I’m not for the death penalty, so…there’s only one way to do it: illegally shoot the son of a bitch.” [Fonte: The Huffington Post]

Em bom português:

“Um homem morto não pode vazar material “, disse Beckel.” Esse cara é um traidor, ele é traiçoeiro, e quebrou todas as leis dos Estados Unidos. E eu não sou pela pena de morte, então … só há uma maneira de fazê-lo: ilegalmente atirar no filho da p*”

 

Share

Audiência Pública – Conselho Estadual de Comunicação Social – RJ


Uma discussão importante e do interesse de todos. Eu já confirmei presença. Quem náo puder participar, continue acompanhando as propostas e as diferentes posições sobre o assunto.  Nem tudo é exatamente como a mídia tradicional (e comercial) alardeia. Abaixo o Projeto de Lei que cria o Conselho Estadual de Comunicação Social do Rio de Janeiro (CECS-RJ). Mais informações podem ser obtidas no blog do Deputado Paulo Ramos. Continue lendo