Chega de hipocrisia #PRONTOFALEI


Se for para barrar o iraniano Mahmoud Ahmadinejad, então vamos boicotar também o israelense Benjamin Netanyahu, Obama, a determinada samaritana Hillary Clinton e tantos outros que hipocritamente apontam o dedo acusador da moralidade enquanto ignoram com muita determinação as violações contra os direitos humanos cometidos por suas próprias Nações, dentro e fora de seus territórios pátrios.

O discurso das minorias unidas em defesa de direitos essenciais é lindo. E necesário. Mas o que fazemos quando somos maioria ou mais fortes? Qual nossa postura quando o poder de fogo é nosso? Como defendemos o outro de nossas sombrias ambições? A Federação Israelita se posiciona firmemente em favor dos Direitos Humanos quando o algoz é outro? Ou estava usando o momento de luta pela tolerância religiosa para propagandear mais intolerância político-cultural?

Eu aprendi uma coisa com uma pessoa humilde mas de grande sabedoria: não fique reparando tanto no quintal do vizinho, faça o melhor que puder pos sua própria casa. Vale para tudo! #PRONTOFALEI


Anúncios

Rhodia demitirá funcionários contaminados em unidade de Cubatão


Por Jorge Américo, da Radioagência NP

publicada sexta-feira, 04/02/2011 às 09:40

A multinacional Rhodia convocou 20 funcionários da unidade de Cubatão, no litoral paulista, para fazer exames médicos e assinar a carta de demissão. A fábrica foi fechada em 1993, quando se constatou que, em mais de 15 anos de atividades, a empresa havia despejado 12 mil toneladas de resíduos químicos no solo. Essa falta de controle comprometeu o ecossistema e a saúde de aproximadamente 150 trabalhadores.

Isaías dos Santos Correa, presidente da Associação de Combate aos Poluentes – formada por trabalhadores contaminados pela Rhodia –, assegura que as demissões são ilegais, pois os trabalhadores têm licença remunerada por estarem impedidos de ter contato com agentes químicos.

“É uma contaminação que não sai do organismo. Tem um termo de ajustamento de conduta, firmado junto ao Ministério Público, que garante estabilidade a esses trabalhadores devido a essa contaminação e às doenças correlacionadas. E esses trabalhadores foram surpreendidos nesta semana com uma convocação para a demissão.”

O metalúrgico Arlindo Afonso de Paula foi contratado pela Rhodia em 1972. Dez anos depois, começaram a aparecer os primeiros problemas de saúde. Não podendo exercer suas funções, foi transferido para a área administrativa, o que não foi suficiente para impedir o surgimento de novas enfermidades.

“Eu estou parcialmente morando em Minas Gerais porque aqui não tem condições de tratamento. Foi indicado até por médicos que eu fosse para lá, para aliviar a cabeça. Eu tenho um quadro clínico de problema de fígado desde 1985 e ultimamente estou com cirrose hepática, calcificação do baço e câncer na próstata. E aí, há poucos dias, a firma me chamou para me demitir.”

Share

Dia Internacional de Solidariedade com a Luta do Povo Palestino


Share