Hillary e Irã, a mídia e os fatos


Já pelas tantas de ouvir a reapresentação do alardeado discurso da Srª Clinton, não pude evitar uma comparação exagerada reconheço, mas coerente com o modo de agir dos norte-americanos. O menino rico descobre que o moleque pobre, que não é amigo dele, tem algumas peças para construir um brinquedo igual ao dele. Ele acredita que ser o único a ter esse brinquedinho lhe garante destaque sobre os outros meninos, amigos ou não. É preciso impedir o moleque pobre, castigá-lo por desafiar a ordem já estabelecida. Mas o mundo mudou, os outros meninos e meninas estão crescendo, pensando por si mesmo. Para evitar uma confusão danada no play, dois outros meninotes, que outro dia mesmo eram tratados como moleques, resolvem dar uma ajuda para acalmar os ânimos e todos poderem brincar em paz. O menino rico não aceita, esperneia, chama os serviçais da família, quer bater nos coleguinhas mas não pode. Já não é o mais forte, sem os outros não consegue nem lanchar direito. Manda os servos espalharem que o moleque é mau, pivete, vai destruir o pátio. Não duvido, nem acredito. Quem conhece esse moleque? Quem fala dele sem tomar partido? Não a nossa mídia servil. Continue lendo

Anúncios