Chega de hipocrisia #PRONTOFALEI


Se for para barrar o iraniano Mahmoud Ahmadinejad, então vamos boicotar também o israelense Benjamin Netanyahu, Obama, a determinada samaritana Hillary Clinton e tantos outros que hipocritamente apontam o dedo acusador da moralidade enquanto ignoram com muita determinação as violações contra os direitos humanos cometidos por suas próprias Nações, dentro e fora de seus territórios pátrios.

O discurso das minorias unidas em defesa de direitos essenciais é lindo. E necesário. Mas o que fazemos quando somos maioria ou mais fortes? Qual nossa postura quando o poder de fogo é nosso? Como defendemos o outro de nossas sombrias ambições? A Federação Israelita se posiciona firmemente em favor dos Direitos Humanos quando o algoz é outro? Ou estava usando o momento de luta pela tolerância religiosa para propagandear mais intolerância político-cultural?

Eu aprendi uma coisa com uma pessoa humilde mas de grande sabedoria: não fique reparando tanto no quintal do vizinho, faça o melhor que puder pos sua própria casa. Vale para tudo! #PRONTOFALEI


Anúncios

Hillary e Irã, a mídia e os fatos


Já pelas tantas de ouvir a reapresentação do alardeado discurso da Srª Clinton, não pude evitar uma comparação exagerada reconheço, mas coerente com o modo de agir dos norte-americanos. O menino rico descobre que o moleque pobre, que não é amigo dele, tem algumas peças para construir um brinquedo igual ao dele. Ele acredita que ser o único a ter esse brinquedinho lhe garante destaque sobre os outros meninos, amigos ou não. É preciso impedir o moleque pobre, castigá-lo por desafiar a ordem já estabelecida. Mas o mundo mudou, os outros meninos e meninas estão crescendo, pensando por si mesmo. Para evitar uma confusão danada no play, dois outros meninotes, que outro dia mesmo eram tratados como moleques, resolvem dar uma ajuda para acalmar os ânimos e todos poderem brincar em paz. O menino rico não aceita, esperneia, chama os serviçais da família, quer bater nos coleguinhas mas não pode. Já não é o mais forte, sem os outros não consegue nem lanchar direito. Manda os servos espalharem que o moleque é mau, pivete, vai destruir o pátio. Não duvido, nem acredito. Quem conhece esse moleque? Quem fala dele sem tomar partido? Não a nossa mídia servil. Continue lendo

O discurso de Hillary Clinton e as perguntas que não calam…


Desde ontem estou assistindo na Tv aberta e por assinatura o entediante discurso “endurecido” da Hillary Clinton. Nas emissoras participantes do Sistema Globo a matéria é divulgada como um impasse nas relações diplomáticas entre Brasil e Estados Unidos. Pode até ser que estejam certos, mas vamos parar para pensar sobre o que está sendo dito. A Srª Clinton fala da importância das relações com o Brasil, credita a nosso país os méritos de contribuir com situações internacionais, MAS , entre tantas outras situações, prefere destacar nosso papel no Haiti.

Depois de assoprar um pouquinho nosso ego, a imponente Secretaria de Estado dos EUA deu aquela mordida. Depois de ouvir várias vezes o discurso, alguns pontos ficam claros: primeiro é que os Estados Unidos possuem diretrizes “próprias” para definir sua política interna e externa, e não aceitará mudá-las. É a doutrina Obama. Tudo bem, concordo. A isso chamamos soberania, algo de direito de toda Nação. O problema é quando a manutenção da sua soberania pressupõe a intervenção na minha. Será que agora todos os países do mundo são submetidos aos propósitos soberanos norte-americanos? Seremos todos colônias? Devemos então temer o castigo dos insurgentes? Continue lendo