O vazio da saudade, algum dia passa?


Ontem não consegui escrever. Recolhi-me em silêncio saudoso e melancólico. Ontem completou um ano que minha avó partiu, e de repente o sentimento de perda e ausência se fizeram tão presentes que minhas palavras secaram. Tornaram-se lágrimas. Tentei somente pensar nas boas lembranças e nem isso foi conforto. Minha avó não era uma guerreira, ainda que tenha sido uma heroína cuidando de filhos e netos. Nascida em João Pessoa veio para o Rio ainda jovem onde conheceu um cearense inteligente e boêmio com quem teve três filhos, a mais velha minha mãe. Ela não deixou grandes feitos para a história, mas com certeza deixou-nos um legado cultural e afetivo. Continue lendo

Adiante


Na brevidade de um instante

Descobertas de uma eternidade

No silêncio constante

A dor de uma saudade

Roda mundo corre tempo

As lembranças por único alento

Sombras difusas, tormento

Suspiros, espamos, lamento

No silêncio da madrugada

Convalesce em melancolia

Rasgando o novo, Alvorada

Surge a promessa de um novo dia

Share

O que nunca esquecemos …


Você não se lembra, mas eu estava lá quando você chorou

Você não se lembra, mas eu estava lá quando você falou

Você não se lembra, mas eu estava lá quando você sorriu

Você não se lembra, da cantiga que entoava quando você dormiu

Você não se lembra, dessas coisas que eu nunca esqueço

Pequenos momentos, grandes acontecimentos

Momentos felizes, outros nem tanto

Você não se lembra do meu olhar surpreso e encantado

Nem dos gestos meio atrapalhados,

De quando tomei você em meus braços

Pela primeira vez

Por instinto talvez

Meu corpo iniciou o suave balanço que o embalou

E seu choro cessou

Senti sua mão pequena e frágil

Segurar com firmeza o dedo inseguro

Que deslizava em sua face

Você não se lembra

Da jura de amor que trocamos

Nesse instante infinito

Jura de amor eterno

Celebrada na linguagem dos olhos e das almas

Você não se lembra, mas você cuidou de mim também

De noite era meu confidente,

E ouvia sorridente,

Histórias de pessoas e coisas que nem entendia

Enquanto esperava o sono chegar

Confiante, sabia que eu sempre estaria lá

Porque você precisava de mim

Porque eu precisava de você

A vida pode nos levar por muitos caminhos

Mas as lembranças daqueles que amamos

São como jóias preciosas

Feitas da safira mais azul e radiante

Que nunca ninguém poderá roubar de nós

Você pode não se lembrar

De todas as coisas que lhe falei

Mas o que nunca pode esquecer,

Nem nos momentos mais sombrios e confusos,

É do amor verdadeiro que sempre lhe dediquei

Do amor que nos une,

Além das barreiras, das distâncias

Além do tempo, do medo e de qualquer dor. Te amo!

Segredos


A saudade de um breve instante,

Carícia triste da promessa de ser feliz.

Eis que passado já não podemos viver

O momento infinito maior do que o próprio tempo.

E no fundo do fundo dos olhos traiçoeiros

Que teimam em revelar aquilo que se deve esconder,

Eis que arde acesa a teimosa chama

De um amor tão intenso

Que só aos Deuses poderá pertencer.

Saudade que já passou


Às vezes brigamos sem querer, e depois fazemos de novo as pazes, quase sem perceber.

Já se vão dias  sem sentir teu toque
Sem provar teus lábios
Sem sentir tua pele
A minha volta somente o vazio da tua falta
A alegria, a paz, a felicidade se foram
O que aconteceu afinal
Se tanto ainda nos une?
Quantos gostariam de possuir
Uma cumplicidade e um companherismo como o nosso.
Quantas vezes podemos nos comunicar,
Nos entender, sem completar as palavras.
Onde foi que erramos?
Talvez justamente ao não completar as palavras
Que mais precisavamos ouvir e dizer
De que adianta agora
Sofrer avaliando meus erros.
De que adianta
Apontar os erros que você também cometeu
Se isso não vai trazer você de volta
Se já não posso acarinhar teu rosto
Beijar tua face, tua pele
Te abraçar, aconchegar teu sono
E falar baixinho ao teu ouvido sonolento: noite, amor…